Sábado, 24 de Maio de 2008


Não quero que este momento
Tenha um fim,
Onde tudo acaba por ser nada
Sem ti…
Esperaria, se preciso fosse, por ti
Para te ver sorrir…
Porque, a verdade é uma só, não sou nada
Sem ti…


Independentemente de tudo isto,
Eu sei que cometi erros.
Tropecei, caí, levantei-me…
Mesmo assim arrisco estas simples palavras.


Quero que tu saibas
Que não tenciono deixar que isto acabe.
Estas palavras representam a minha alma.
Vou-me agarrar a este momento,
Pois o meu coração sangra.
Mesmo assim, não vou deixar que isto acabe.


Pensamentos lidos e relidos,
Para sempre perpetuados no tempo.
Todos esses pedaços de memórias
Que, despedaçados, caem no chão.
Eu sei o que tive e o que não tive,
Portanto, não vou deixar que isto acabe.
Mesmo que não queira, é verdade
Que nada sou sem ti…


Por ruas nostálgicas caminhei,
Onde, sozinho, apaguei o meu sofrimento.
Não tinha qualquer lugar para onde ir,
Até que cheguei ao fim…


Mesmo à minha frente
Vi um anjo cair do céu brilhante,
Mesmo quando não sabemos
O que realmente procuramos…



Publicado por Sandro M. Gomes às 20:28
Olá Sandro... Parabéns suas poesias são muito belas e profundas, permitindo que se encaixem perfeitamente em diferentes situações. É realmente dificil o fim, mas é sempre necessário mudar... vou add seu blog na minha lista, assim poderei voltar mais vezes. Beijos e fique com Deus
Nymphadora a 24 de Maio de 2008 às 22:25

Uma aventura nada arriscada pelo mundo da poesia. Entra e instala-te, deixa que em ti flua, de modo sensato, o espírito e a inspiração poética.
mais sobre mim
Maio 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
14

23



pesquisar neste blog
 
blogs SAPO