Sexta-feira, 18 de Julho de 2008

Inverno, manhãs doces de inverno,
Límpidas, tardias e longínquas.
Favorável às emoções das musas
E ao enigma da carne das amantes.

Quem és, que transformas árvores
Em iluminações dissemelhantes
E enlouqueces as rosas resistentes,
Rosa-dos-ventos, rosa dos instantes?

Por que gelaste as vibrantes asas,
Alma dos céus, amor de coisas várias,
O inverno abateu-se sobre as casas!

Anjo luminoso e astral
Preservadora de santas e de estrelas...
Que importa a noite escura escondê-las?


Publicado por Sandro M. Gomes às 20:45
Uma aventura nada arriscada pelo mundo da poesia. Entra e instala-te, deixa que em ti flua, de modo sensato, o espírito e a inspiração poética.
mais sobre mim
Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

13
14
15

20
21
23
25
26

30


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO