Domingo, 09 de Março de 2008

Fala-me de amor, ousas-te tu pedir,
Ao canto, nesse banco de jardim,
E a barreira à nossa frente
Nos impedia de pisar a relva.

Rompiam a despontar memórias,
O vento suave arrastava as folhas do velho carvalho,
Era já tarde, quase noite,
E começavam a despontar as histórias…

Olhei sem qualquer receio,
Antes, quando me deitava no teu peito, eras rio,
Ambos trazíamos os pés calçados com asas,
Que faziam o chão mais leve que algodão.

Sabes?
A cidade está envolta em devaneios,
Guardo só para mim as sensações dos velhos tempos,
Pois agora somos dois carvalhos perdidos na cidade.

Cidade que viu o suave toque dos nossos lábios,
Cheirou o perfume do teu corpo,
Ouviu o alegre encanto da tua voz,
Para mim, perdido, são apenas recordações.


Publicado por Sandro M. Gomes às 22:18
Uma aventura nada arriscada pelo mundo da poesia. Entra e instala-te, deixa que em ti flua, de modo sensato, o espírito e a inspiração poética.
mais sobre mim
Março 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
12
14
15

16
17
18
19
20
22

23
24
27
28
29

30
31


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO