Quarta-feira, 09 de Abril de 2008

Neste momento olho a lua,
A tua suave face vai-se construindo nela,
Pouco a pouco,
E depois de completa desaparece.

Procuro-a novamente,
Quer na lua, quer à minha volta,
Mas nada, nenhum sinal de ti,
Estarei eu a alucinar por tanto pensar.

É verdade, penso em ti a cada segundo,
Não me canso de o fazer,
Pareço, por vezes, um simples vagabundo,
Que nas ruas te procura, prazer.

Que grande satisfação seria estar contigo,
Olhar-te nos olhos e dizer o quanto te amo,
Nunca senti tal por ninguém,
É um sentimento deveras especial, único.

Está, realmente, um dia muito frio,
Os amantes de toda a cidade passeiam-se pelas ruas,
E eu aqui a suspirar por ti, ofegante,
Consigo ver-nos nos seus papéis.

Tu e eu, de mãos dadas,
Partilhando o mesmo coração, a mesma razão,
Sofrendo as mesmas tristezas, os mesmos medos,
Mas caminhando sempre juntos.

Tomando a direcção da felicidade,
Que a não ser eterna, quase a é.
Dura tanto quanto nós os dois,
Mas um dia, mesmo que não queiramos, o destino nos separa.


Publicado por Sandro M. Gomes às 19:46
Uma aventura nada arriscada pelo mundo da poesia. Entra e instala-te, deixa que em ti flua, de modo sensato, o espírito e a inspiração poética.
mais sobre mim
Abril 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
22
24
26

27
28
29
30


pesquisar neste blog
 
blogs SAPO