Segunda-feira, 26 de Maio de 2008


Olha para mim…
Diz-me o que devo ser,
Em que mentira devo acreditar…


Podes dizer-me também
Quando é que pensas tomar decisões…
Fazer o que acreditas ser o melhor.


Eu só não sei,
Não tenho sequer uma ideia
Do que devo ser.


Olha para mim,
Eu sou a imagem das tuas esperanças e tragédias?


Olha apenas para mim e diz-me
Se alguma vez vou ser mais do que memórias?


Porque, realmente, não sabes…
Continuas a não saber…
Que tudo que eu sou, sou eu.
Sem máscaras, sem mentiras, sou apenas eu.



Publicado por Sandro M. Gomes às 19:12


Olha para mim…
Diz-me o que devo ser,
Em que mentira devo acreditar…


Podes dizer-me também
Quando é que pensas tomar decisões…
Fazer o que acreditas ser o melhor.


Eu só não sei,
Não tenho sequer uma ideia
Do que devo ser.


Olha para mim,
Eu sou a imagem das tuas esperanças e tragédias?


Olha apenas para mim e diz-me
Se alguma vez vou ser mais do que memórias?


Porque, realmente, não sabes…
Continuas a não saber…
Que tudo que eu sou, sou eu.
Sem máscaras, sem mentiras, sou apenas eu.



Publicado por Sandro M. Gomes às 19:12


Olha para mim…
Diz-me o que devo ser,
Em que mentira devo acreditar…


Podes dizer-me também
Quando é que pensas tomar decisões…
Fazer o que acreditas ser o melhor.


Eu só não sei,
Não tenho sequer uma ideia
Do que devo ser.


Olha para mim,
Eu sou a imagem das tuas esperanças e tragédias?


Olha apenas para mim e diz-me
Se alguma vez vou ser mais do que memórias?


Porque, realmente, não sabes…
Continuas a não saber…
Que tudo que eu sou, sou eu.
Sem máscaras, sem mentiras, sou apenas eu.



Publicado por Sandro M. Gomes às 19:12


Olha para mim…
Diz-me o que devo ser,
Em que mentira devo acreditar…


Podes dizer-me também
Quando é que pensas tomar decisões…
Fazer o que acreditas ser o melhor.


Eu só não sei,
Não tenho sequer uma ideia
Do que devo ser.


Olha para mim,
Eu sou a imagem das tuas esperanças e tragédias?


Olha apenas para mim e diz-me
Se alguma vez vou ser mais do que memórias?


Porque, realmente, não sabes…
Continuas a não saber…
Que tudo que eu sou, sou eu.
Sem máscaras, sem mentiras, sou apenas eu.



Publicado por Sandro M. Gomes às 19:12


Olha para mim…
Diz-me o que devo ser,
Em que mentira devo acreditar…


Podes dizer-me também
Quando é que pensas tomar decisões…
Fazer o que acreditas ser o melhor.


Eu só não sei,
Não tenho sequer uma ideia
Do que devo ser.


Olha para mim,
Eu sou a imagem das tuas esperanças e tragédias?


Olha apenas para mim e diz-me
Se alguma vez vou ser mais do que memórias?


Porque, realmente, não sabes…
Continuas a não saber…
Que tudo que eu sou, sou eu.
Sem máscaras, sem mentiras, sou apenas eu.



Publicado por Sandro M. Gomes às 19:12


Olha para mim…
Diz-me o que devo ser,
Em que mentira devo acreditar…


Podes dizer-me também
Quando é que pensas tomar decisões…
Fazer o que acreditas ser o melhor.


Eu só não sei,
Não tenho sequer uma ideia
Do que devo ser.


Olha para mim,
Eu sou a imagem das tuas esperanças e tragédias?


Olha apenas para mim e diz-me
Se alguma vez vou ser mais do que memórias?


Porque, realmente, não sabes…
Continuas a não saber…
Que tudo que eu sou, sou eu.
Sem máscaras, sem mentiras, sou apenas eu.



Publicado por Sandro M. Gomes às 19:12


O tempo passa por nós, numa direcção desconhecida,
Tu deixaste-me e eu estou sozinho,
Mesmo antes de saberes que o destino triunfou
Disseste-me aquilo que eu não sabia.


E agora vejo tudo claramente
Portanto, adeus…
Peço-te que olhes para as estrelas
E acredites apenas em ti mesma,
Pois essa é a melhor certeza que podes ter
Até um dia, adeus…


Sempre soubemos que o destino era adverso,
É difícil pensar e perceber o que perdemos.
A importância da arte, a arte como guia,
Especialmente quando nada te completa.


E isto também está certo,
Portanto, adeus…
Olha apenas o imenso mar de estrelas
E acredita que estou a pensar em ti,
E isto é ainda mais certo,
Até um dia, adeus…


O tempo acaba connosco,
Marca-nos a face, as mãos, todo o nosso ser,
E saber que o destino vence, corrompe-me ainda mais,
Mesmo assim, adeus…



Publicado por Sandro M. Gomes às 18:51


O tempo passa por nós, numa direcção desconhecida,
Tu deixaste-me e eu estou sozinho,
Mesmo antes de saberes que o destino triunfou
Disseste-me aquilo que eu não sabia.


E agora vejo tudo claramente
Portanto, adeus…
Peço-te que olhes para as estrelas
E acredites apenas em ti mesma,
Pois essa é a melhor certeza que podes ter
Até um dia, adeus…


Sempre soubemos que o destino era adverso,
É difícil pensar e perceber o que perdemos.
A importância da arte, a arte como guia,
Especialmente quando nada te completa.


E isto também está certo,
Portanto, adeus…
Olha apenas o imenso mar de estrelas
E acredita que estou a pensar em ti,
E isto é ainda mais certo,
Até um dia, adeus…


O tempo acaba connosco,
Marca-nos a face, as mãos, todo o nosso ser,
E saber que o destino vence, corrompe-me ainda mais,
Mesmo assim, adeus…



Publicado por Sandro M. Gomes às 18:51


O tempo passa por nós, numa direcção desconhecida,
Tu deixaste-me e eu estou sozinho,
Mesmo antes de saberes que o destino triunfou
Disseste-me aquilo que eu não sabia.


E agora vejo tudo claramente
Portanto, adeus…
Peço-te que olhes para as estrelas
E acredites apenas em ti mesma,
Pois essa é a melhor certeza que podes ter
Até um dia, adeus…


Sempre soubemos que o destino era adverso,
É difícil pensar e perceber o que perdemos.
A importância da arte, a arte como guia,
Especialmente quando nada te completa.


E isto também está certo,
Portanto, adeus…
Olha apenas o imenso mar de estrelas
E acredita que estou a pensar em ti,
E isto é ainda mais certo,
Até um dia, adeus…


O tempo acaba connosco,
Marca-nos a face, as mãos, todo o nosso ser,
E saber que o destino vence, corrompe-me ainda mais,
Mesmo assim, adeus…



Publicado por Sandro M. Gomes às 18:51


O tempo passa por nós, numa direcção desconhecida,
Tu deixaste-me e eu estou sozinho,
Mesmo antes de saberes que o destino triunfou
Disseste-me aquilo que eu não sabia.


E agora vejo tudo claramente
Portanto, adeus…
Peço-te que olhes para as estrelas
E acredites apenas em ti mesma,
Pois essa é a melhor certeza que podes ter
Até um dia, adeus…


Sempre soubemos que o destino era adverso,
É difícil pensar e perceber o que perdemos.
A importância da arte, a arte como guia,
Especialmente quando nada te completa.


E isto também está certo,
Portanto, adeus…
Olha apenas o imenso mar de estrelas
E acredita que estou a pensar em ti,
E isto é ainda mais certo,
Até um dia, adeus…


O tempo acaba connosco,
Marca-nos a face, as mãos, todo o nosso ser,
E saber que o destino vence, corrompe-me ainda mais,
Mesmo assim, adeus…



Publicado por Sandro M. Gomes às 18:51


O tempo passa por nós, numa direcção desconhecida,
Tu deixaste-me e eu estou sozinho,
Mesmo antes de saberes que o destino triunfou
Disseste-me aquilo que eu não sabia.


E agora vejo tudo claramente
Portanto, adeus…
Peço-te que olhes para as estrelas
E acredites apenas em ti mesma,
Pois essa é a melhor certeza que podes ter
Até um dia, adeus…


Sempre soubemos que o destino era adverso,
É difícil pensar e perceber o que perdemos.
A importância da arte, a arte como guia,
Especialmente quando nada te completa.


E isto também está certo,
Portanto, adeus…
Olha apenas o imenso mar de estrelas
E acredita que estou a pensar em ti,
E isto é ainda mais certo,
Até um dia, adeus…


O tempo acaba connosco,
Marca-nos a face, as mãos, todo o nosso ser,
E saber que o destino vence, corrompe-me ainda mais,
Mesmo assim, adeus…



Publicado por Sandro M. Gomes às 18:51


O tempo passa por nós, numa direcção desconhecida,
Tu deixaste-me e eu estou sozinho,
Mesmo antes de saberes que o destino triunfou
Disseste-me aquilo que eu não sabia.


E agora vejo tudo claramente
Portanto, adeus…
Peço-te que olhes para as estrelas
E acredites apenas em ti mesma,
Pois essa é a melhor certeza que podes ter
Até um dia, adeus…


Sempre soubemos que o destino era adverso,
É difícil pensar e perceber o que perdemos.
A importância da arte, a arte como guia,
Especialmente quando nada te completa.


E isto também está certo,
Portanto, adeus…
Olha apenas o imenso mar de estrelas
E acredita que estou a pensar em ti,
E isto é ainda mais certo,
Até um dia, adeus…


O tempo acaba connosco,
Marca-nos a face, as mãos, todo o nosso ser,
E saber que o destino vence, corrompe-me ainda mais,
Mesmo assim, adeus…



Publicado por Sandro M. Gomes às 18:51
Uma aventura nada arriscada pelo mundo da poesia. Entra e instala-te, deixa que em ti flua, de modo sensato, o espírito e a inspiração poética.
mais sobre mim
Maio 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
14

23



pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO