Sábado, 05 de Julho de 2008
De modo a que exista uma maior interacção entre os leitores (e não só) criei o Fórum “Horas mortas… Nem por isso!”.

Neste fórum podem, após se registarem, partilhar os vossos poemas favoritos, expor os vossos próprios trabalhos, colocar imagens, músicas, vídeos…

Não se esqueçam de fazer a vossa apresentação no fórum para que possamos saber mais sobre os utilizadores…

Agradeço e peço que participem nesta nova iniciativa que pretende, a cima de tudo, uma maior interacção entre todos vós…


Entre no fórum Aqui.



Publicado por Sandro M. Gomes às 21:50
De modo a que exista uma maior interacção entre os leitores (e não só) criei o Fórum “Horas mortas… Nem por isso!”.

Neste fórum podem, após se registarem, partilhar os vossos poemas favoritos, expor os vossos próprios trabalhos, colocar imagens, músicas, vídeos…

Não se esqueçam de fazer a vossa apresentação no fórum para que possamos saber mais sobre os utilizadores…

Agradeço e peço que participem nesta nova iniciativa que pretende, a cima de tudo, uma maior interacção entre todos vós…


Entre no fórum Aqui.



Publicado por Sandro M. Gomes às 21:50
De modo a que exista uma maior interacção entre os leitores (e não só) criei o Fórum “Horas mortas… Nem por isso!”.

Neste fórum podem, após se registarem, partilhar os vossos poemas favoritos, expor os vossos próprios trabalhos, colocar imagens, músicas, vídeos…

Não se esqueçam de fazer a vossa apresentação no fórum para que possamos saber mais sobre os utilizadores…

Agradeço e peço que participem nesta nova iniciativa que pretende, a cima de tudo, uma maior interacção entre todos vós…


Entre no fórum Aqui.



Publicado por Sandro M. Gomes às 21:50
De modo a que exista uma maior interacção entre os leitores (e não só) criei o Fórum “Horas mortas… Nem por isso!”.

Neste fórum podem, após se registarem, partilhar os vossos poemas favoritos, expor os vossos próprios trabalhos, colocar imagens, músicas, vídeos…

Não se esqueçam de fazer a vossa apresentação no fórum para que possamos saber mais sobre os utilizadores…

Agradeço e peço que participem nesta nova iniciativa que pretende, a cima de tudo, uma maior interacção entre todos vós…


Entre no fórum Aqui.



Publicado por Sandro M. Gomes às 21:50
De modo a que exista uma maior interacção entre os leitores (e não só) criei o Fórum “Horas mortas… Nem por isso!”.

Neste fórum podem, após se registarem, partilhar os vossos poemas favoritos, expor os vossos próprios trabalhos, colocar imagens, músicas, vídeos…

Não se esqueçam de fazer a vossa apresentação no fórum para que possamos saber mais sobre os utilizadores…

Agradeço e peço que participem nesta nova iniciativa que pretende, a cima de tudo, uma maior interacção entre todos vós…


Entre no fórum Aqui.



Publicado por Sandro M. Gomes às 21:50
De modo a que exista uma maior interacção entre os leitores (e não só) criei o Fórum “Horas mortas… Nem por isso!”.

Neste fórum podem, após se registarem, partilhar os vossos poemas favoritos, expor os vossos próprios trabalhos, colocar imagens, músicas, vídeos…

Não se esqueçam de fazer a vossa apresentação no fórum para que possamos saber mais sobre os utilizadores…

Agradeço e peço que participem nesta nova iniciativa que pretende, a cima de tudo, uma maior interacção entre todos vós…


Entre no fórum Aqui.



Publicado por Sandro M. Gomes às 21:50

Apareceu, no céu, a lua
Cheia e branca…Foi quando, emocionada,
Estremeceu a mulher ao meu lado
E se entregou sem que nada fosse dito.

Larguei-as… era ainda jovem a madrugada…
Ambas cheias, brancas e sem véu…
Uma perdida, abandonada a outra;
Uma nua na terra, outra no céu.

Mas não me desfiz delas… a mais louca
Apaixonou-me o pensamento; entreguei-o,
Feliz, de amor pouco e vida igual.

Mas que, em mim, tinha deixado
Um sorriso carinhoso da sua boca e
Uma lágrima dos seus olhos celestiais…


Publicado por Sandro M. Gomes às 21:37

Apareceu, no céu, a lua
Cheia e branca…Foi quando, emocionada,
Estremeceu a mulher ao meu lado
E se entregou sem que nada fosse dito.

Larguei-as… era ainda jovem a madrugada…
Ambas cheias, brancas e sem véu…
Uma perdida, abandonada a outra;
Uma nua na terra, outra no céu.

Mas não me desfiz delas… a mais louca
Apaixonou-me o pensamento; entreguei-o,
Feliz, de amor pouco e vida igual.

Mas que, em mim, tinha deixado
Um sorriso carinhoso da sua boca e
Uma lágrima dos seus olhos celestiais…


Publicado por Sandro M. Gomes às 21:37

Apareceu, no céu, a lua
Cheia e branca…Foi quando, emocionada,
Estremeceu a mulher ao meu lado
E se entregou sem que nada fosse dito.

Larguei-as… era ainda jovem a madrugada…
Ambas cheias, brancas e sem véu…
Uma perdida, abandonada a outra;
Uma nua na terra, outra no céu.

Mas não me desfiz delas… a mais louca
Apaixonou-me o pensamento; entreguei-o,
Feliz, de amor pouco e vida igual.

Mas que, em mim, tinha deixado
Um sorriso carinhoso da sua boca e
Uma lágrima dos seus olhos celestiais…


Publicado por Sandro M. Gomes às 21:37

Apareceu, no céu, a lua
Cheia e branca…Foi quando, emocionada,
Estremeceu a mulher ao meu lado
E se entregou sem que nada fosse dito.

Larguei-as… era ainda jovem a madrugada…
Ambas cheias, brancas e sem véu…
Uma perdida, abandonada a outra;
Uma nua na terra, outra no céu.

Mas não me desfiz delas… a mais louca
Apaixonou-me o pensamento; entreguei-o,
Feliz, de amor pouco e vida igual.

Mas que, em mim, tinha deixado
Um sorriso carinhoso da sua boca e
Uma lágrima dos seus olhos celestiais…


Publicado por Sandro M. Gomes às 21:37

Apareceu, no céu, a lua
Cheia e branca…Foi quando, emocionada,
Estremeceu a mulher ao meu lado
E se entregou sem que nada fosse dito.

Larguei-as… era ainda jovem a madrugada…
Ambas cheias, brancas e sem véu…
Uma perdida, abandonada a outra;
Uma nua na terra, outra no céu.

Mas não me desfiz delas… a mais louca
Apaixonou-me o pensamento; entreguei-o,
Feliz, de amor pouco e vida igual.

Mas que, em mim, tinha deixado
Um sorriso carinhoso da sua boca e
Uma lágrima dos seus olhos celestiais…


Publicado por Sandro M. Gomes às 21:37

Apareceu, no céu, a lua
Cheia e branca…Foi quando, emocionada,
Estremeceu a mulher ao meu lado
E se entregou sem que nada fosse dito.

Larguei-as… era ainda jovem a madrugada…
Ambas cheias, brancas e sem véu…
Uma perdida, abandonada a outra;
Uma nua na terra, outra no céu.

Mas não me desfiz delas… a mais louca
Apaixonou-me o pensamento; entreguei-o,
Feliz, de amor pouco e vida igual.

Mas que, em mim, tinha deixado
Um sorriso carinhoso da sua boca e
Uma lágrima dos seus olhos celestiais…


Publicado por Sandro M. Gomes às 21:37

Afinal o que é que tem sentido nesta vida?
Ter alimento e habitação;
Um cobertor numa cama fofa;
Ficar, até tarde, a ver os astros
Ou então, andar de rastos dia-a-dia
Por caminhos escolhidos por outros.

Para alguns o dinheiro é felicidade,
Vivem de Janeiro a Janeiro
Com o pé no acelerador.
Eu, sinceramente, preferia
Uma vida de poesia
Na companhia de um amor verdadeiro.

Há quem queira ser famoso,
Sair nas revistas e usar fatos,
Ter, no banco, a própria vida.
Eu acredito, apenas, na liberdade,
Em viver eternamente na saudade
De viver um amor verdadeiro.


Publicado por Sandro M. Gomes às 17:23

Afinal o que é que tem sentido nesta vida?
Ter alimento e habitação;
Um cobertor numa cama fofa;
Ficar, até tarde, a ver os astros
Ou então, andar de rastos dia-a-dia
Por caminhos escolhidos por outros.

Para alguns o dinheiro é felicidade,
Vivem de Janeiro a Janeiro
Com o pé no acelerador.
Eu, sinceramente, preferia
Uma vida de poesia
Na companhia de um amor verdadeiro.

Há quem queira ser famoso,
Sair nas revistas e usar fatos,
Ter, no banco, a própria vida.
Eu acredito, apenas, na liberdade,
Em viver eternamente na saudade
De viver um amor verdadeiro.


Publicado por Sandro M. Gomes às 17:23

Afinal o que é que tem sentido nesta vida?
Ter alimento e habitação;
Um cobertor numa cama fofa;
Ficar, até tarde, a ver os astros
Ou então, andar de rastos dia-a-dia
Por caminhos escolhidos por outros.

Para alguns o dinheiro é felicidade,
Vivem de Janeiro a Janeiro
Com o pé no acelerador.
Eu, sinceramente, preferia
Uma vida de poesia
Na companhia de um amor verdadeiro.

Há quem queira ser famoso,
Sair nas revistas e usar fatos,
Ter, no banco, a própria vida.
Eu acredito, apenas, na liberdade,
Em viver eternamente na saudade
De viver um amor verdadeiro.


Publicado por Sandro M. Gomes às 17:23

Afinal o que é que tem sentido nesta vida?
Ter alimento e habitação;
Um cobertor numa cama fofa;
Ficar, até tarde, a ver os astros
Ou então, andar de rastos dia-a-dia
Por caminhos escolhidos por outros.

Para alguns o dinheiro é felicidade,
Vivem de Janeiro a Janeiro
Com o pé no acelerador.
Eu, sinceramente, preferia
Uma vida de poesia
Na companhia de um amor verdadeiro.

Há quem queira ser famoso,
Sair nas revistas e usar fatos,
Ter, no banco, a própria vida.
Eu acredito, apenas, na liberdade,
Em viver eternamente na saudade
De viver um amor verdadeiro.


Publicado por Sandro M. Gomes às 17:23

Afinal o que é que tem sentido nesta vida?
Ter alimento e habitação;
Um cobertor numa cama fofa;
Ficar, até tarde, a ver os astros
Ou então, andar de rastos dia-a-dia
Por caminhos escolhidos por outros.

Para alguns o dinheiro é felicidade,
Vivem de Janeiro a Janeiro
Com o pé no acelerador.
Eu, sinceramente, preferia
Uma vida de poesia
Na companhia de um amor verdadeiro.

Há quem queira ser famoso,
Sair nas revistas e usar fatos,
Ter, no banco, a própria vida.
Eu acredito, apenas, na liberdade,
Em viver eternamente na saudade
De viver um amor verdadeiro.


Publicado por Sandro M. Gomes às 17:23

Afinal o que é que tem sentido nesta vida?
Ter alimento e habitação;
Um cobertor numa cama fofa;
Ficar, até tarde, a ver os astros
Ou então, andar de rastos dia-a-dia
Por caminhos escolhidos por outros.

Para alguns o dinheiro é felicidade,
Vivem de Janeiro a Janeiro
Com o pé no acelerador.
Eu, sinceramente, preferia
Uma vida de poesia
Na companhia de um amor verdadeiro.

Há quem queira ser famoso,
Sair nas revistas e usar fatos,
Ter, no banco, a própria vida.
Eu acredito, apenas, na liberdade,
Em viver eternamente na saudade
De viver um amor verdadeiro.


Publicado por Sandro M. Gomes às 17:23
Uma aventura nada arriscada pelo mundo da poesia. Entra e instala-te, deixa que em ti flua, de modo sensato, o espírito e a inspiração poética.
mais sobre mim
Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

13
14
15

20
21
23
25
26

30


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO