Quinta-feira, 31 de Julho de 2008

É o tempo que corrói e destrói a vida,
O mesmo tempo que flui constantemente.
É imutável, todas as suas horas são frias
E passa, distante, pelas nossas emoções.

Somos nós que damos significado às horas
Com as nossas atitudes e emoções vãs.
O nosso corpo segue ao sabor do vento,
Segue até encontrar dimensão alguma…

Dor, medo, amor… de quê?
Poder, dinheiro, luxos… para quê?
Se tudo acaba quando pára o coração…

Restam as vontades aprisionadas ao corpo,
Água, terra, um corpo… história inútil!
A vida acaba por nada ser… uma ilusão!


Publicado por Sandro M. Gomes às 21:18

É o tempo que corrói e destrói a vida,
O mesmo tempo que flui constantemente.
É imutável, todas as suas horas são frias
E passa, distante, pelas nossas emoções.

Somos nós que damos significado às horas
Com as nossas atitudes e emoções vãs.
O nosso corpo segue ao sabor do vento,
Segue até encontrar dimensão alguma…

Dor, medo, amor… de quê?
Poder, dinheiro, luxos… para quê?
Se tudo acaba quando pára o coração…

Restam as vontades aprisionadas ao corpo,
Água, terra, um corpo… história inútil!
A vida acaba por nada ser… uma ilusão!


Publicado por Sandro M. Gomes às 21:18

É o tempo que corrói e destrói a vida,
O mesmo tempo que flui constantemente.
É imutável, todas as suas horas são frias
E passa, distante, pelas nossas emoções.

Somos nós que damos significado às horas
Com as nossas atitudes e emoções vãs.
O nosso corpo segue ao sabor do vento,
Segue até encontrar dimensão alguma…

Dor, medo, amor… de quê?
Poder, dinheiro, luxos… para quê?
Se tudo acaba quando pára o coração…

Restam as vontades aprisionadas ao corpo,
Água, terra, um corpo… história inútil!
A vida acaba por nada ser… uma ilusão!


Publicado por Sandro M. Gomes às 21:18

É o tempo que corrói e destrói a vida,
O mesmo tempo que flui constantemente.
É imutável, todas as suas horas são frias
E passa, distante, pelas nossas emoções.

Somos nós que damos significado às horas
Com as nossas atitudes e emoções vãs.
O nosso corpo segue ao sabor do vento,
Segue até encontrar dimensão alguma…

Dor, medo, amor… de quê?
Poder, dinheiro, luxos… para quê?
Se tudo acaba quando pára o coração…

Restam as vontades aprisionadas ao corpo,
Água, terra, um corpo… história inútil!
A vida acaba por nada ser… uma ilusão!


Publicado por Sandro M. Gomes às 21:18

É o tempo que corrói e destrói a vida,
O mesmo tempo que flui constantemente.
É imutável, todas as suas horas são frias
E passa, distante, pelas nossas emoções.

Somos nós que damos significado às horas
Com as nossas atitudes e emoções vãs.
O nosso corpo segue ao sabor do vento,
Segue até encontrar dimensão alguma…

Dor, medo, amor… de quê?
Poder, dinheiro, luxos… para quê?
Se tudo acaba quando pára o coração…

Restam as vontades aprisionadas ao corpo,
Água, terra, um corpo… história inútil!
A vida acaba por nada ser… uma ilusão!


Publicado por Sandro M. Gomes às 21:18

É o tempo que corrói e destrói a vida,
O mesmo tempo que flui constantemente.
É imutável, todas as suas horas são frias
E passa, distante, pelas nossas emoções.

Somos nós que damos significado às horas
Com as nossas atitudes e emoções vãs.
O nosso corpo segue ao sabor do vento,
Segue até encontrar dimensão alguma…

Dor, medo, amor… de quê?
Poder, dinheiro, luxos… para quê?
Se tudo acaba quando pára o coração…

Restam as vontades aprisionadas ao corpo,
Água, terra, um corpo… história inútil!
A vida acaba por nada ser… uma ilusão!


Publicado por Sandro M. Gomes às 21:18
Uma aventura nada arriscada pelo mundo da poesia. Entra e instala-te, deixa que em ti flua, de modo sensato, o espírito e a inspiração poética.
mais sobre mim
Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

13
14
15

20
21
23
25
26

30


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO