Terça-feira, 26 de Agosto de 2008

Quando menos se espera
O céu azul torna-se fogo…
O mar calmo torna-se revolto…
O teu corpo agita a minha alma…
Incessantemente.

Quando menos se espera
A guerra termina e a paz se instala…
A fome acaba e as crianças voltam a sonhar…
O meu coração, em fogo, acaba por gelar…
Incessantemente.

Quando menos se espera
Sonhos tornam-se realidade…
As incertezas se confirmam…
A noite vira dia…
Incessantemente.

Quando menos se espera
Nasce um amor, uma paixão…
Cresce um homem sonhador…
Morre um poeta um amante…
Incessantemente.

Quando menos se espera
Tudo começa ou tudo acaba…
Tudo nasce ou tudo morre…
Tudo é amor ou tudo é ódio…
Incessantemente.

Num segundo, num mísero instante,
Tudo se torna inconstante.
E depois…
Nada é concreto, nítido…
Incessantemente.


Publicado por Sandro M. Gomes às 20:28

Quando menos se espera
O céu azul torna-se fogo…
O mar calmo torna-se revolto…
O teu corpo agita a minha alma…
Incessantemente.

Quando menos se espera
A guerra termina e a paz se instala…
A fome acaba e as crianças voltam a sonhar…
O meu coração, em fogo, acaba por gelar…
Incessantemente.

Quando menos se espera
Sonhos tornam-se realidade…
As incertezas se confirmam…
A noite vira dia…
Incessantemente.

Quando menos se espera
Nasce um amor, uma paixão…
Cresce um homem sonhador…
Morre um poeta um amante…
Incessantemente.

Quando menos se espera
Tudo começa ou tudo acaba…
Tudo nasce ou tudo morre…
Tudo é amor ou tudo é ódio…
Incessantemente.

Num segundo, num mísero instante,
Tudo se torna inconstante.
E depois…
Nada é concreto, nítido…
Incessantemente.


Publicado por Sandro M. Gomes às 20:28

Quando menos se espera
O céu azul torna-se fogo…
O mar calmo torna-se revolto…
O teu corpo agita a minha alma…
Incessantemente.

Quando menos se espera
A guerra termina e a paz se instala…
A fome acaba e as crianças voltam a sonhar…
O meu coração, em fogo, acaba por gelar…
Incessantemente.

Quando menos se espera
Sonhos tornam-se realidade…
As incertezas se confirmam…
A noite vira dia…
Incessantemente.

Quando menos se espera
Nasce um amor, uma paixão…
Cresce um homem sonhador…
Morre um poeta um amante…
Incessantemente.

Quando menos se espera
Tudo começa ou tudo acaba…
Tudo nasce ou tudo morre…
Tudo é amor ou tudo é ódio…
Incessantemente.

Num segundo, num mísero instante,
Tudo se torna inconstante.
E depois…
Nada é concreto, nítido…
Incessantemente.


Publicado por Sandro M. Gomes às 20:28

Quando menos se espera
O céu azul torna-se fogo…
O mar calmo torna-se revolto…
O teu corpo agita a minha alma…
Incessantemente.

Quando menos se espera
A guerra termina e a paz se instala…
A fome acaba e as crianças voltam a sonhar…
O meu coração, em fogo, acaba por gelar…
Incessantemente.

Quando menos se espera
Sonhos tornam-se realidade…
As incertezas se confirmam…
A noite vira dia…
Incessantemente.

Quando menos se espera
Nasce um amor, uma paixão…
Cresce um homem sonhador…
Morre um poeta um amante…
Incessantemente.

Quando menos se espera
Tudo começa ou tudo acaba…
Tudo nasce ou tudo morre…
Tudo é amor ou tudo é ódio…
Incessantemente.

Num segundo, num mísero instante,
Tudo se torna inconstante.
E depois…
Nada é concreto, nítido…
Incessantemente.


Publicado por Sandro M. Gomes às 20:28

Quando menos se espera
O céu azul torna-se fogo…
O mar calmo torna-se revolto…
O teu corpo agita a minha alma…
Incessantemente.

Quando menos se espera
A guerra termina e a paz se instala…
A fome acaba e as crianças voltam a sonhar…
O meu coração, em fogo, acaba por gelar…
Incessantemente.

Quando menos se espera
Sonhos tornam-se realidade…
As incertezas se confirmam…
A noite vira dia…
Incessantemente.

Quando menos se espera
Nasce um amor, uma paixão…
Cresce um homem sonhador…
Morre um poeta um amante…
Incessantemente.

Quando menos se espera
Tudo começa ou tudo acaba…
Tudo nasce ou tudo morre…
Tudo é amor ou tudo é ódio…
Incessantemente.

Num segundo, num mísero instante,
Tudo se torna inconstante.
E depois…
Nada é concreto, nítido…
Incessantemente.


Publicado por Sandro M. Gomes às 20:28

Quando menos se espera
O céu azul torna-se fogo…
O mar calmo torna-se revolto…
O teu corpo agita a minha alma…
Incessantemente.

Quando menos se espera
A guerra termina e a paz se instala…
A fome acaba e as crianças voltam a sonhar…
O meu coração, em fogo, acaba por gelar…
Incessantemente.

Quando menos se espera
Sonhos tornam-se realidade…
As incertezas se confirmam…
A noite vira dia…
Incessantemente.

Quando menos se espera
Nasce um amor, uma paixão…
Cresce um homem sonhador…
Morre um poeta um amante…
Incessantemente.

Quando menos se espera
Tudo começa ou tudo acaba…
Tudo nasce ou tudo morre…
Tudo é amor ou tudo é ódio…
Incessantemente.

Num segundo, num mísero instante,
Tudo se torna inconstante.
E depois…
Nada é concreto, nítido…
Incessantemente.


Publicado por Sandro M. Gomes às 20:28
Uma aventura nada arriscada pelo mundo da poesia. Entra e instala-te, deixa que em ti flua, de modo sensato, o espírito e a inspiração poética.
mais sobre mim
Agosto 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
15
16

17
18
20
21
22
23

24
25
27
28
29
30

31


pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO